Maçãs Podres – Parte 1

A Apple é uma das maiores e mais inovadoras empresas a surgir nos últimos tempos, isso é fato. Mais do que criar produtos que todos desejam, ela cria tendências que boa parte do mercado segue, até mesmo a Microsoft, sua eterna rival. Os fãs da Apple estão de tal modo conquistados que são capazes de comprar até água em pó, se  Steve Jobs disser que é o futuro. Jobs, aliás, é o maior exemplo que temos hoje em dia do “culto à personalidade”, e não estou falando da música do Living Colour.

Mas nem sempre foi assim.

Em seus 34 anos de existência, a Apple Inc. (ex-Apple Computer, Inc.) lançou muitos produtos que foram um sucesso de crítica e público, mas também lançou produtos que variam entre impopular, mal planejado e lixo completo! Em uma série de três posts, vocês conhecerão 21 produtos que a Apple não quer que vocês saibam que existiram.

Aviso: antes de qualquer comentário, leia o post primeiro. A intenção dessa série não é criticar a Apple, mas mostrar que ela é uma empresa como outra qualquer, com erros e acertos. Comentários #mimimi de Macfags serão sumariamente deletados e reportados. “So let it be written, so let it be done.”

1. Apple III (1980)

O Apple III foi o computador desenvolvido com a intenção de suceder o Apple II. Ele era mais poderoso que seu antecessor, vindo com processador de 2 Mhz e 128 Kb de RAM expansível até 512 Kb. O co-fundador da Apple, Steve Wozniak, disse certa vez que o motivo principal de seu fracasso foi o fato de que o SO foi desenvolvido pelo departamento de marketing da empresa (WTF?). Além disso, no ano seguinte a IBM lançou o IBM PC, que era muito mais barato. Outro motivo: mais de 14 mil unidades tiveram problemas de overheating e tiveram que ser reparados. O Apple III foi descontinuado em 1984.

2. Lisa (1983)

O Lisa foi a 2ª tentativa da Apple de suceder o Apple III, tendo só conseguido tal fato com o Macintosh em 1984, e mesmo assim parcialmente, já que o último computador da série II foi descontinuado apenas em 1993… ele é importante pois foi o primeiro computador vendido ao usuário final que possuía interface gráfica (GUI) e um mouse; o primeiro computador de fato a apresentar tais inovações foi o Xerox Alto de 1972, que foi usado apenas internamente pela Xerox e em universidades. Aliás, quando Jobs e Woz visitaram a Xerox em 1980, eles viram o Alto e simplesmente copiaram tudo, com aval dos executivos-toupeiras da Xerox. Apesar de avançado para a época, ele naufragou única e simplesmente por seu preço proibitivo: ele custava nada menos que $10,000 (cerca de $22,000 em valores atualizados)! Versões posteriores e mais baratas foram lançadas, como o Lisa 2 e o Macintosh XL, mas ele foi descontinuado em 1986.

EDIT: um adendo: a partir daqui até certo ponto, entramos na era da Apple sem Steve Jobs. Esta nota tem caráter informativo e não é para aliviar a barra de ninguém, já que estamos avaliando a empresa, e a Apple não é só Jobs. Oh, wait…

3. Taligent (1988)

Aposto que a maioria dos fãs da Apple nunca ouviu falar dele, mas é compreensível, já que esse produto nunca foi lançado. O Taligent (fusão das palavras Talent e Intelligent) era um projeto conjunto da Apple e IBM para a criação de um Sistema Operacional que prometia ser revolucionário, superior a tudo, elegante e futurista. Em 1995 o projeto foi abandonado, e em 2001 a Apple lançou o MAC OS X, que cumpriu boa parte das promessas, mas não tinha nada a ver o Taligent.

4. Macintosh Portable (1989)

Chamar esse monstro de portátil deve ter sido uma piada interna da Apple. Apesar de possuir tela de cristal líquido, processador de 16 Mhz e 1 Mb de RAM expansível até 8 ou 9 Mb (dependendo da versão), o Mac Portable pesava 7,2 quilos, boa parte deles devido à bateria que precisava estar carregada para o Mac funcionar; ele não ligava plugado numa tomada. Além disso, o preço de $6,500 espantava os compradores. Ele foi descontinuado no ano seguinte, em 1990.

5. Processador PowerPC (1992)

Admito que é um tanto injusto incluir o PowerPC nesta lista, mas convenhamos que ele nunca atingiu o objetivo esperado: derrubar a hegemonia da Intel. Baseado em arquitetura RISC, o PowerPC foi uma parceria entre a Apple, a IBM e a Motorola para desenvolver processadores poderosos e competitivos para concorrer com a Intel. Devido sua alta performance, ele foi aos poucos sendo desvinculado dos Macs e sendo empregado desde em computadores de cálculos massivos até em aplicações militares: os computadores de bordo dos caças F-35 contam com processadores PowerPC atualmente. E os três consoles da atual geração de videogames (PS3, Wii e XBox 360) também trabalham com esses processadores; o PS3 na verdade usa um processador Cell da Toshiba, IBM e Sony, mas ele é baseado na arquitetura do PowerPC.

Por fim, em 2005 a Apple anunciou que não mais utilizaria o PowerPC em seus Macs, adotando os processadores Intel, e o processador segue seu caminho independentemente.

6. Newton (1993)

A plataforma Newton foi a promessa da Apple de revolucionar o mercado de PDAs, aqueles antigos computadores de bolso que ainda são usados por aí por vendedores para anotar pedidos de vendas. Ele mandava e-mails e fax, organizava os arquivos, tarefas e tudo o mais. Mas a principal novidade foi justamente a causa de sua ruína: o sistema de reconhecimento de escrita, que faria com que o Newton se diferenciasse dos concorrentes, simplesmente não funcionava direito. Ainda assim, ele teve uma vida regular e foi descontinuado em 1998. Hoje, convenciona-se dizer que o Newton é o avô do iPhone.

7. Macintosh TV (1993)

O Mac TV foi uma tentativa de integrar a experiência de computador e televisão num só produto, muito antes do PCTV da Gradiente. Porém, ele não cumpria bem nenhuma das premissas: como Mac, sua configuração era aquém do esperado, com processador de 32 Mhz e 5 Mb de RAM expansível até 8 Mb; como TV, além de contar apenas com um monitor CRT de 14″, ele não passava da resolução de 640×480, possuía apenas 512 Kb de vídeo e o preço era muito acima de qualquer TV, custando $2,097. Lançado em outubro de 1993, o Mac TV foi cancelado quatro meses depois, em fevereiro de 1994.

Aqui termina a primeira parte. No próximo post, mais sete produtos da Apple. See you next time!

1 Response to “Maçãs Podres – Parte 1”



  1. 1 NEWTON « Center Computer Trackback em setembro 17, 2010 às 9:38 am

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Ficha Técnica

It's me!
Ronaldo de Souza Gogoni, AKA Cyber Ramses

30 anos, São Paulo - SP - Brasil

Tecnólogo, comerciário, FATECano, blogueiro, twitteiro e nerd to the bone!!!

Análise e Desenvolvimento de Sistemas - 4º semestre
Faculdade de Tecnologia de São Paulo - FATEC-SP

Quem já espiou:

  • 406,388 visitantes
Eu também estou no Twitter!

Sigam-me os bons!

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Categorias

Arquivos

Calendário

agosto 2010
D S T Q Q S S
« jul    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

%d blogueiros gostam disto: